TAMMUZ

 

 Este é o 4° mês, sob o signo de Cancer – Sartan, a energia da água e a regência da Lua ( Levaná).

Acontecimentos do mês: 

•Quebra das tábuas das leis 

•Anulação do sacrifício diário 

•Apostumus queimou a Torá e colocou um deus no altal do templo. 

•Destruição dos muros de Jerusalém (destruição do Templo) – Nabucodonosor (586 ªE.C.) e Tito (70 E.C.) 

 

Todos os acontecimentos ocorreram em épocas diferentes, mas no mesmo dia – dia 17 de Tamuz. 

Este dia é conhecido como dia de  ½ Jejum. (Tsom Shivá Assar Betamuz). 

As tres semanas entre este jejum e Tisha Beav (9 de Av) são considerados dias de Luto. 

 

Neste mês encontramos um nível de energia cósmica pouco comum – muito negativa, pelo exílio da nossa proteção, a Shechiná.

Devemos Ter certas precauções, pois não há revelação da Shechiná (aquela que manifesta e estabiliza a força). Sem a vasilha que segura a força está sob o perigo da energia. 

Como o Templo era o canal, sem ele é impossível deter a energia violenta da força, o que faz com que possamos viver momentos de forte reatividade.

 

Nos encontramos em um estado de Katnut (baixa da consciência), onde podemos retroceder, pisar em falso, colocar-se no Egito. “Emburrecer-se”. Ter contato com o sofrimento, com situações do passado que se repetem. 

A meditação neste período é importante. 

 

LEIA SOBRE PINCHÁS - A SEMANA DA CURA.... está é uma ilha dentro deste mês cheio de tensões e emoções reativas!

 

É a antítese de Israel – mês de destruição (Esav).

 

Energia cósmica: 

Caranguejo (Câncer) – sartan 

Ligada a palavra satan, desvio, onde nos deparamos com o sagrado x não-sagrado – inicio da destruição através dos olhos que veem o bezerro de ouro, e assim, podemos nos desviar daquilo que é sagrado. 

A energia do mês é a energia da água, esta pode ser positiva ou negativa. 

O Diluvio representa a destruição, mas a água alimenta os prazeres (verão) – prazer físico mais acentuado. 

Água nos traz mudanças. Mudar através da impetuosidade, buscas algo mais elevado. 

 

O canceriano se influencia, sai da realidade, mas pode desenvolver a visão e a preocupação pelos outros. Usa suas emoções para o bem ou para o mal. 

 É um mês de tempestades emocionais, onde o lado infantil pode ganhar espaço. As dependências, frustrações.

O Tikun é aprender a compartilhar, olhar pelo outro, trazer a energia materna para cuidar e reestabelecer o Templo Sagrado, com a sua Shechiná.

TRIBO:

•   Neste mês, parte da tribo de Reuven rebelou-se contra Moshê e ficaram ao lado de Côrach.

o primogênito (bechor) – representa a poderosa energia de tudo que vem primeiro. O primeiro fruto, os primeiros momentos do dia, o início de cada criação – têm enorme quantidade de energia. “Instável como a água”, este poder pode seguir dois caminhos: se domado corretamente, o “bechor/energia de Reuven pode mudar os mundos; se abusado pode destruir. Como a água, pode ser a fonte da vida, mas se deixada livre erode seu ambiente e pode inundar

17 de Tammuz são considerados Dias de Alta Energia.Este é um dia de pouca Luz, então precisamos aprender a nos conduzir

 

veja o TEXTO - As 3 semanas Negativas

 

Outros dias de energia são:

 

 2º de Tammuz (26 de junho)  - Hilula do rabino Nachtman de Hordonika

 

3 de Tammuz (27)- Hilula do Rebbe do Chabad

 

22 de Tammuz (16 de julho)- Hilula do Rabino Sholomo de Karlin

 

23 de Tammuz (17) - Hilula do Ramak Rabi Moshe Cordovero

 

29 de Tammuz (23)- Hilula de Rashi

 

Nestes dias de Hilula a energia de cada Tzadik é muito forte e esta relacionada com a sefirá do dia. saiba que quanto mais

 

estudamos a respeito do Tzadik, mais ele nos ajuda em nosso trabalho espiritual, através do trabalho dele.

Letras do mês: 

 

CHET E TAV - cancer 

 

Chet é a oitava letra do alfabeto e oito é um número ligado à transcendência da experiência física, a comunhão com a Shechiná. 

Em sua forma, temos uma letra Zayin (a mulher/Malchut) e uma letra Vav (o homem/Zeir Anphin) unidas. Não é por acaso ser Chet a inicial de chupá, a tenda que recebe um casal durante a cerimônia de casamento (lembre-se que também nos referimos a estas duas letras na construção da palavra Tamuz). 

Chet evoca coisas positivas, como chen ("graça"), chayim ("vida") e chadash ("novo"), mas também um alerta: chayt ("pecado"), que pode ser evitado se houver chitah ("temor"). 

Pecado, para a Cabalá, não é a falta. Adam não pecou ao comer do fruto proibido. Pecou, sim, ao transferir a culpa de sua falta para Chavá. Chayt significa, literalmente, "perder a marca" ou, em outras palavras, viver uma mentira. 

A marca a que chayt se refere é a letra Tav. Na Árvore da Vida, Tav liga as sefirót Malchut e Yessod no que chamamos "Caminho da Verdade". Sem Tav, a Luz dos mundos superiores não chega ao mundo físico, pois somente Yessod se conecta a Malchut. No sentido inverso, não temos como nos elevarmos. 

Tav é a inicial de tikun ("correção"), tefilá ("oração"), tehilim ("salmos") e teshuvá ("retorno"), entre outras. Por ser a última letra do alfabeto, traz a energia de finalização que permeia todo o período associada à necessidade de renovação, pois tav, em aramaico, significa "de novo", indicando que algumas coisas devem terminar para que outras tenham início. 

Meditações na oração de Ana Bekoach

 

 

Shav atenu kabel ushma tsa akateinu. Iodea Ta alumot

Aceita as nossas suplicas e ouve o nosso clamor, ó Tu. Que sabes todos os mistérios. 

 

Meditação no nome de 42 letras do Nome de D´us

 

Que consigamos realizar todo nosso potencial – projetos, idéias e sonhos que temos.

 

0
0
0
s2sdefault